O Guia do Mochileiro das Galáxias – Resenha e opinião

A razão de o Guia do Mochileiro das Galáxias ser o livro de maior sucesso da galáxia é, em primeiro lugar, por ser menor e ligeiramente mais barato do que a Enciclopédia Galáctica e, em segundo lugar, por trazer a frase “Não Entre em Pânico” em letras garrafais e amigáveis escrita na capa.

O Guia do mochileiro das galáxias é uma série de ficção científica criada por Douglas Adams, originalmente um programa transmitido pela rádio britânica BBC Radio 4 em 1978, e posteriormente adaptada para a “trilogia” de quatro livros (que na verdade, são cinco, e terminou com seis ¬¬’ ).

Douglas Adans é um escritor incrível, a melhor definição de experiência para a leitura de seus livros, é estar chapado sem usar drogas. Com uma genialidade inconfundível, ele consegue contar uma história maluca, e provavelmente sem sentido, de forma divertida e empolgante.

Usa o humor para fazer várias críticas sociais, que cita desde a burocracia até a felicidade, encontrada nas coisas pequenas da vida.

 A história

O livro conta a história de Arthur Dent, um típico inglês, que ao mesmo tempo que tem sua casa ameaçada de ser demolida para a construção de uma rodovia, tem o planeta terra ameaçado de ser demolido para a construção de uma rodovia (espacial). Com isso, tem que fugir do planeta com seu amigo Ford Prefect, que descobre ser um alienígena que trabalha como editor do Guia do Mochileiro das Galáxias (a Wikipédia do universo ^^).

Durante suas aventuras encontram Zaphod Beeblebrox, atual presidente da galáxia, egocêntrico e metido; Trillian, terráquea que fugiu da terra com Zaphod e Marvin, o robô maníaco depressivo (o nome já diz tudo), e para mim o melhor personagem do livro.

Minha opinião

Atenção: deste ponto em diante vou apresentar minhas opiniões sobre os livros, contém spoilers

É necessário prestar muita atenção aos detalhes do livro, pois a história muda muito rápido, reviravoltas acontecem de um momento ao outro, o que da aos livros um dinamismo impressionante!

A toalha  foi o objeto mais marcante que Douglas Adams conseguiu criar nos seus livros, as inúmeras utilidades para este objeto, tão simples, descritos no guia, faz com que, um bom mochileiro, sempre carregue uma.

O tempo e até universos paralelos não foram limitações para Douglas Adams, pois os personagem viajam de forma bem tranquila ao passado e ao futuro, e em vários universos possíveis.

O livro que mais gostei foi o “Até mais, e obrigado pelos peixes”, onde Arthur conhece Fenchurch (que infelizmente some depois) e vivem um tempo na terra, no universo paralelo em que ainda não foi destruída. Apesar da maior parte do livro se passar neste planeta, gostei muito da história, não sei se foi por causa da simplicidade deste mundo, ou pela total reviravolta em relação aos outros livros.

Infelizmente Douglas Adams faleceu em 2001, sem completar a sua obra, mas o escritor Eoin Colfer, terminou a trilogia, de seis, a pedido da própria esposa de Adams.

Apesar da responsabilidade de continuar o legado de Douglas Adams, Eoin Colfer fez um excelente trabalho, consegui passar a história da forma original (bem maluda, com reviravoltas e criticas sociais).

Encerrou a série da melhor forma possível (nos padrões do guia): sem muito sentido 😀

Por alguns segundos Arthur reencontra Fenchurch, mas o mesmo é transportado para outra dimensão e termina em uma ilha parecida com que ele permaneceu até a terceira idade no início deste livro.

Apesar de não explicar o sentido do número 42 (por motivos óbvios, que provavelmente não há sentido nenhum) achei que Colfer terminou de forma digna a história do guia, terminando com a frase:

Fim de um dos meios

Eoin Colfer pode continuar lançando infinitas futuras edições, pois a história dá margem para isso, mas espero que não o faça, creio que desde o início essa foi a expectativa de Douglas Adams, um final a altura de sua história, um final sem final!

Vale muito a pena ler, um livro divertido com uma história bem bacana, diversão garantida!

O Filme

Em 2005, foi lançado pela Touchstone e pela Spyglass o longa metragem baseado no primeiro livro da série. Ainda assim existem várias diferenças entre a história do livro e o filme, todas acrescentadas pelo próprio Douglas Adams que sempre criou um roteiro diferente para cada versão do Guia.

Mas achei muito fraco, tem nem como comprar com os livros. Mas tenho que admitir que que gostei de uma coisa do filme: a abertuta, a música inicial com os golfinhos é bem contagiante:

Frases célebres dos livros

O homem é a terceira espécie mais inteligente do planeta Terra.

A história de todas as grandes civilizações tende a atravessar três fases distintas: a da Sobrevivência, a da interrogação e a da Sofisticação. A Sobrevivência pode ser caracterizada pela pergunta: “Como vamos poder comer?”; a interrogação, pela pergunta: “Por que comemos?” e A Sofisticação, pela pergunta: “Aonde vamos almoçar?”.

Classificado com um dos dez instrumentos mais irritantes, o violino foi banido de todos os mundos civilizados em todas as galáxias.

Uma toalha é o objeto de maior utilidade que um mochileiro interestelar pode possuir. Uma toalha molhada é uma ótima arma no combate corpo-a-corpo.

Os ratos são a raça mais inteligente da Terra.

Os golfinhos são a segunda espécie mais inteligente da Terra. Toda aquela brincadeira na água é só uma fachada.

Se um dia alguém descobrir para que serve o universo e por que ele está aqui, ele desaparecerá instantaneamente e algo ainda mais estranho e improvável o substituirá.

Com QI de 161612, Marvin, o Andróide, é 30 bilhões de vezes mais inteligente do que um colchão.

Devido a circunstâncias estranhas envolvendo viagem no tempo, Marvin, o Andróide, é 37 vezes mais velho do que o próprio universo.

42 é a resposta à questão fundamental sobre a Vida, o Universo e Tudo o Mais.

 Sinopse dos livros

1. O Guia do Mochileiro das Galáxias (The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy)

Considerado um dos maiores clássicos da literatura de ficção científica, O guia do mochileiro das galáxias vem encantando gerações de leitores ao redor do mundo com seu humor afiado. Este é o primeiro título da famosa série escrita por Douglas Adams, que conta as aventuras espaciais do inglês Arthur Dent e de seu amigo Ford Prefect.

A dupla escapa da destruição da Terra pegando carona numa nave alienígena, graças aos conhecimentos de Prefect, um E.T. que vivia disfarçado de ator desempregado enquanto fazia pesquisa de campo para a nova edição do Guia do mochileiro das galáxias, o melhor guia de viagens interplanetário.

2. O Restaurante no Fim do Universo (The Restaurant at the End of the Universe)

O que você pretende fazer quando chegar ao Restaurante do Fim do Universo? Devorar o suculento bife de um boi que se oferece como jantar ou apenas se embriagar com a poderosa Dinamite Pangaláctica, assistindo de camarote ao momento em que tudo se acaba numa explosão falta?

A continuação das incríveis aventuras de Arthur Dent e seus quatro amigos através da Galáxia começa a bordo da nave Coração de Ouro, rumo ao restaurante mais próximo. Mal sabem eles que farão uma viagem no tempo, cujo desfecho será simplesmente incrível.

3. A Vida, o Universo e Tudo Mais (Life, the Universe and Everything)

Após as loucas aventuras vividas com seus estranhos amigos em O guia do mochileiro das galáxias e O restaurante no fim do universo, Arthur Dent ficou cinco anos abandonado na Terra Pré-Histórica. Mesmo depois de tanto tempo, ele ainda acordava todas as manhãs com um grito de horror por estar preso àquela monótona e assustadora rotina.

Talvez Arthur até preferisse continuar isolado em sua caverna escura, úmida e fedorenta a encarar a próxima aventura para a qual seria forçosamente arrastado: salvar o Universo dos temíveis robôs xenófobos do planeta Krikkit.

4. Até mais, e Obrigado pelos Peixes! (So Long, and Thanks For All the Fish)

Depois de viajar pelo Universo, ver o aniquilamento da Terra, participar de guerras interestelares e conhecer as mais extraordinárias criaturas, Arthur está de volta ao seu planeta. Tudo parece igual, mas ele descobre que algo muito estranho aconteceu na sua ausência. Curioso com o fato e apaixonado por uma garota tão estranha quanto o que quer que tenha acontecido, ele parte em busca de uma explicação.

Com sua peculiar ironia e seu talento aparentemente inesgotável para inventar personagens e histórias hilariantes – embora altamente filosóficas -, Douglas Adams nos presenteia com mais uma genial obra capaz de nos fazer refletir sobre o sentido da vida de uma forma bem diferente da habitual.

5. Praticamente Inofensiva (Mostly Harmless)

As inúmeras mudanças políticas, culturais e, principalmente, tecnológicas que aconteceram nesse período influenciaram os rumos da narrativa e tornaram Praticamente inofensiva uma obra singular. Mas, em vez de perder o tom, Adams parece ainda mais irônico e profundo ao divagar sobre a vida, o Universo e tudo mais. Situações hilárias, personagens imprevisíveis, descrições poéticas e paisagens surrealistas se mesclam com perfeição, resultando numa trama cheia de suspense, comédia e filosofia. Depois de muitos anos, Arthur Dent, Tricia McMillan e Ford Prefect se reencontram. Mas o que deveria ser uma festejada reunião de velhos amigos se transforma numa terrível confusão que põe em risco a vida de todos.

6. E tem outra coisa… (And another thing…)

Com a morte de seu autor, Douglas Adams, parecia absolutamente improvável que Arthur Dent, Ford Prefect, Tricia McMillan e Zaphod Beeblebrox voltassem a aprontar, depois de tantos anos perdidos no espaço, sem que ninguém tivesse notícias deles.

Mas, como a improbabilidade é o que move o universo de Adams, eis que surge Eoin Colfer para resgatar nossos heróis e metê-los em confusões ainda mais alucinantes ao lado de vogons, peixes-babel, deuses desempregados, computadores irascíveis e alienígenas que dedicam sua imortalidade a ofender todos os seres do Universo.

 

Fontes de consulta:

 http://www.obrigadopelospeixes.com/2010/03/10/42-fatos-sobre-o-guia-do-mochileiro-das-galaxias/

http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Hitchhiker’s_Guide_to_the_Galaxy

http://cafefraco.com/featured/cafe-literario-e-tem-outra-coisa-eoin-colfer/

 

 

Paulo Collares

Servo de Jesus Cristo, Analista de Sistemas, com especialidade em Engenharia de Software Saiba mais sobre mim

  • Diegof

    Melhor trilogia de 5 (ou 6) da história da humanidade. 42 = 4+2 = 6. Dizem que Douglas A. iria explicar melhor no último volume, mas ele morreu, ou desistiu, ou os dois. Mas de qualquer forma ele só colocaria mais confusões e inebriantes histórias. Abraços e ótima crítica – que não lí toda, pois ainda vou ler o 6 livro.